Bem Vindos

Amigas encantadoras!

segunda-feira, setembro 06, 2010


Mordidas : uma fase do desenvolvimento

9

COMO LIDAR COM ESSA SITUAÇÃO.

Deparar-se com uma marca de mordida ao buscar o filho na escola não é fácil para nenhuma mãe. Mas por que essa situação é tão comum? Como lidar com ela frente à família da criança mordida?

Estas são apenas algumas dúvidas dos profissionais de Educação Infantil. Mas não há, a princípio. Motivo para pânico. Fato comum entre as crianças de 06 meses a 03 anos, as mordidas fazem parte de uma etapa muito importante do desenvolvimento infantil, na qual a criança leva à boca tudo o que encontra pela frente. Nessa fase a criança entende o que acontece ao seu redor e se comunica de forma gestual, pois não consegue faze-lo verbalmente. As mordidas não são formas de agressividade ou inimizade, mas de se comunicar e de conseguir algo.

Ao iniciar o processo de socialização, a criança usa recursos que já conhece para se relacionar. Se sua relação com o mundo ainda é oral, orais serão as suas manifestações.

COM OS PAIS

O sentimento de tristeza e de insatisfação, quando nosso filho é mordido é normal, pois muitas vezes, desconhecemos que esta mordida faz parte do desenvolvimento infantil.

Evidentemente, trata-se de uma situação delicada e que precisa ser enfrentada da melhor maneira possível, mas com a parceria Escola / Família, num exercício de paciência e atenção é possível superar essa face com sucesso.

PUNIÇÃO FUNCIONA?

Quando as mordidas ocorrem, a solução não é a punição pura. O caminho é usar um tom de voz firme e uma expressão facial que mostrem a criança que mordeu que sua atitude é inaceitável, pois fere o amigo, e que exige um pedido de desculpas. A criança que mordeu deverá acompanhar os cuidados do machucado que provocou no colega como uma forma de perceber que o seu ato trouxe conseqüências ruins.

PREVENÇÃO

Nos que trabalhamos com a Educação Infantil sabemos que é impossível impedir as mordidas entre os pequenos. Mas que podemos minimizar o problema mantendo uma postura cuidadosa e de vigília.

Vale ressaltar que, à medida que a criança cresce e encontra outras formas de expressar seus desejos, afetos e descontentamentos, gradativamente ela deixa de recorrer a esse tipo de comportamento. No entanto, quando o habito de morder se prolonga por muito tempo, é bom ter um olhar atento, pois algo não vai bem.
Há artigos de revistas como " Nova escola" que fala exatamente sobre isto ressalta que há um período da infância em que comumente vemos crianças dando mordidas ao primeiro sinal de estresse. Isso porque, nos primeiros anos de vida, as crianças passam pelo que chamamos de “fase oral”.
O termo, criado pelo pai da psicanálise Sigmund Freud, explica o estágio mais primitivo de desenvolvimento, quando as necessidades, percepções e modos de expressão da criança estão originalmente concentrados na boca, lábios, língua e outros órgãos relacionados com a zona oral. As crianças na idade oral ainda não verbalizam com fluência e a linguagem do corpo acaba sendo mais eficaz. Nesta fase ela é egocêntrica, o que significa que imagina que o mundo funciona e existe por causa dela. Portanto, em sua concepção, tudo o que deseja deve ser prontamente atendido e, quando isso não ocorre... Nhack
A mordida é uma das primeiras formas de relacionamento, seja pela disputa de objetos ou pela atenção; o que a criança deseja ao morder um amiguinho não é agredi-lo, mas sim obter de forma rápida algum objeto ou chamar atenção. Pais e educadores devem entender que a liberdade para a disputa é fundamental para o desenvolvimento humano, mas é claro que devem se empenhar para que esse comportamento seja controlado, incentivando a criança a utilizar sempre a linguagem verbal.
A passagem da fase acontece de forma gradativa, quando a criança sai do egocentrismo e começa a descobrir o prazer de brincar com o outro, quando se inicia o processo efetivo de socialização e conforme as crianças crescem, elas aprendem a controlar suas emoções e se expressar através da fala, deixando a mordida de lado. “O importante é que tanto a escola quanto os pais saibam usar este momento para ensinar á criança regras de convivência”.
Apesar de, na maioria das vezes, a mordida fazer parte do desenvolvimento natural da criança, alguns psicopedagogos alertam que, em alguns casos, este comportamento pode sinalizar um problema de ordem emocional. “Se estas mordidas passam a ser freqüentes, a criança pode estar insatisfeita, ansiosa, com sentimento de rejeição e tenta chamar a atenção através da agressividade. Quando isso acontece, a família e a escola precisam acompanhar de perto e com atenção para descobrir as possíveis causas. Falta de carinho e atenção?! Como é a estrutura familiar?! E, dependendo do caso, é importante buscar a ajuda de um psicólogo”, orientam.
Contudo os casos de ordem emocional não são em si a maioria.
Definimos então como necessária a compreensão de um dos mais importantes estágios do desenvolvimento psicossexual infantil, e por acreditar nisso que retirei um breve texto sobre o assunto do livro Compêndio de Psiquiatria dinâmica de Kaplan & Sadock, Ed. Artes Médicas, que relata a fase das mordidas também chamada de fase oral.

COMO SE DÁ ESSE ESTÁGIO OU FASE ORAL:
Definição: Este é o estágio mais primitivo do desenvolvimento. As necessidades, percepções e modos de expressão do bebê estão originalmente concentrados na boca, lábios, língua e outros órgãos relacionados com a zona oral.
Descrição: A zona oral mantém seu papel dominante na organização da psique através dos 18 primeiros meses de vida aproximadamente.
As sensações orais incluem: a sede, fome, estimulações táteis, prazerosas evocadas pelo mamilo ou seu substituto, sensações relacionadas com a deglutição e satisfação.
Os impulsos orais consistem em dois elementos separados: libidinal e agressivo.
Os estados de tensão oral levam à procura da gratificação oral, tipificada pela tranquilidade no final da alimentação. A trindade oral consiste no desejo de comer, dormir e alcançar a relaxação que ocorre no final da sucção, logo antes de começar a dormir. As necessidades libidinais (erotismo oral) são consideradas predominantemente nos primeiros estágios da fase oral; mais tarde mesclam-se com componentes agressivos (sadismo oral). A agressão oral pode manifestar-se na ação de morder, mastigar, cuspir ou chorar. Está vinculada aos desejos e fantasias primitivos de morder, devorar e destruir.
Objetivos:
Estabelecer uma dependência confiante nos objetos que proporcionam cuidados e apoio;
Estabelecer expressão confortável e gratificação das necessidades libidinais orais sem excessivo conflito ou ambivalência de desejos orais sádicos.
Traços Patológicos: A gratificação ou privação oral em excesso podem resultar em fixações libidinais, que contribuem para os traços patológicos. Esses traços podem incluir excessivo otimismo, narcisismo, pessimismo (visto com frequência nos estados depressivos) e o hábito de reclamar. Os caracteres orais são, com frequência, excessivamente dependentes e exigem que os demais os sirvam e olhem por eles. Tais pessoas querem ser alimentadas mas podem desistir excepcionalmente a fim de conseguir ser servidos em retribuição. Os caracteres orais muitas vezes são extremamente dependentes dos objetos para manter a auto-estima. A inveja e o ciúme estão frequentemente associados aos traços orais.
Traços de Caráter: O êxito na resolução da fase oral proporciona uma base na estrutura do caráter para a capacidade de dar e receber sem excessiva dependência ou inveja; uma capacidade de confiar nos outros com um sentimento de segurança e com sentimentos de confiança e segurança próprios.

Fim das mordidas

 
As mordidas costumam acontecer entre 1 e 2 anos de idade, o que não quer dizer que seja aceitável que a criança saia por aí distribuindo dentadas


Morder pode ser a forma de uma criança demonstrar insatisfação enquanto não sabe expressar as emoções com palavras


Fique atento se a criança tornar o comportamento um hábito, principalmente se já estiver maiorzinha. Nesse caso, morder pode ser sinal de problemas de relacionamento, ciúmes ou conseqüência de agressões


Nunca bata no seu filho se ele morder um amiguinho. Converse com ele, quantas vezes for preciso, sobre outras formas de conseguir o que deseja


Criança que morde começa a ser rejeitada pelo grupo. Por isso, corrija seu filho ao primeiro sinal de agressividade


Nunca ceda a um capricho só porque ele ameaçou bater ou morder alguém. Reprima a atitude e mostre o quanto o comportamento é inaceitável


Se seu filho for mordido, nunca o incentive a fazer o mesmo com a outra criança. Mostre que o coleguinha não fez por mal e sugira que ele brinque com outras crianças até que essa fase passe .


Se ainda assim a criança reagir à agressão, não faça disso um problema. Meninos que cedem facilmente e não brigam pelo seu espaço também merecem cuidados, já que faz parte do desenvolvimento infantil criar estratégias de defesa.


Nunca vá tirar satisfação com o pai da criança que bateu. Deixe que, com a orientação dos adultos, a garotada se entenda.
É minhas caras amigas educadoras e curiosos a respeito do comportamento infantil e humano, nada na verdade parece ser o que é realmente é, não é???
Pois é, a criança é uma caixinha de surpresas que podem ser agradáveis ou não, depende de quem as conduz.

 
Observar as fases de desenvolvimento é o caminho para muitos problemas futuros que são

facilmente agregados a personalidade ainda em formação.

Beijinhos e até a próxima!



9 comentários:

UNIVERSO INFANTIL disse...

Olá Regina, Conheci seu blog hoje e já estou te seguindo. Seu blog é show. Gostaria de umas dicas suas para incrementar o meu. Vc poderia me dizer com fez para fazer o quadrinho com mimos recebidos ficar passando? Não sei como fazer no meu. Ficarei grata se me ajudar.
Beijos!!!

maria regina disse...

Mas é claro que ajudo querida...já postei um link nos teus comentários, tentei mandar os códigos mas não consegui qquer coisa é só falar!
beijinhosss

"Lembrancinhas para Festas" disse...

ÓTIMA MATÉRIA QUERIDA, É SEMPRE BOM LER E RELER ALGUMAS COISAS QUE MUITAS VEZES JÁ SABEMOS, MAS...QUE NUM MOMENTO DE NERVOSO, ACABAMOS AGINDO DE OUTRAS FORMAS. iSSO É RECICLAGEM E O PROFESSOR PRECISA FAZER ISSO SEMPREEEEEEEE.
BEIJOS VIVI

Juliana disse...

Olá passei por aqui para tentar entender as causas das mordidas,minha filha tem 2 anos e 6 meses e anda mordendo amigos na escola,estou desesperada,tenho medo que ela seja rotulada já que cada criança que ela morde os pais são comunicados ,fico constrangida na porta da escola,não sei mais o que fazer,tenho medo de que os amigos passem a isolá -la na escola....

Era uma vez... disse...

Olá Juliana que bom que vc vindo atrás de uma luz.
Mas sabe não é raro encontrar queixas de pais que, ao buscarem seus filhos na escola os encontram mordidos por algum coleguinha. Geralmente são crianças pequenas, que estão APRENDENDO a dividir seu espaço com outras crianças da mesma idade.

Nesse período estão aperfeiçoando seus sentidos e agora fora dos cuidados dos pais e precisando dividir a atenção dos adultos com outras crianças.

Entendo que é bem constrangedor para vc mas isso acontece e o importante é o que vc está fazendo correndo atrás.

Vale lembrar Juliana que as crianças estão em fase de amadurecimento e consequentemente estão aprendendo a exteriorizar suas angustias; medos, frustrações, anseios e descobertas.

Através do sistema nervoso central começam a elaborar o tato, o olfato, o paladar, a visão, e a audição. Consequentemente com as novas descobertas aprendem a usar as mãos, os DENTES, como instrumentos de DEFESA. Numa fase anterior, talvez tenha sido o choro o instrumento mais usado para marcar a atenção.

Não é fácil para a criança aprender a conviver com outras crianças da mesma faixa etária, que também disputam atenção.

A mordida faz parte dos mecanismos de defesas mais primitivos do homem. Quando ele não consegue outra forma de comunicação, ou explorar o ambiente da forma que lhe agrada é possível que use esse artifício para marcar seu espaço.

Cabem aos pais, professores, não supervalorizarem a mordida em si, e sim as causas que levaram uma a morder, e a outra a permitir ser mordida.


Quanto à escola, sabendo que está engajada com crianças que estão na fase de dividir, interagir. E se para nós adultos isso já não é tão simples, imagine para uma criança. É necessário trabalhar de forma lúdica pedagógica os sentidos, os gostos, o afeto e a divisão de espaço necessária para uma boa convivência.

O trabalho em grupo, com argila, onde se trabalha a função da boca, dos dentes, da língua, da saliva, dos lábios, etc., acaba sendo um instrumento pedagógico bastante eficaz. Desta forma ele vai assimilar as funções e consequentemente o professor vai poder interpretar melhor a conceito interior de seus conflitos internos.

A questão da mordida deve ser trabalhada dentro da escola. E as causas das mordidas precisam de uma avaliação mais minuciosa entre os pais e a equipe pedagógica, para juntos reconquistarem a harmonia entre os pequenos, os pais e a escola.

Vale lembrar Juliana que somos todos inocentes, tanto a criança que agride através da mordida, expressando seus conflitos internos, quanto à criança que não aprendeu seus mecanismos de defesas. Os pais que entram em angustias ao defenderem seus pequenos, quanto à escola que depara com essa situação e muitas vezes se sente impotente ao receber o rótulo de negligente. A coerência entre os adultos é a melhor forma de suavizar esses pequenos conflitos diante da vastidão de angustia do mundo dos adultos.

Existe alguma coisa que vc pode fazer qdo isso acontecer...

- tenha muito amor em suas palvras mas seja firme e mostre que não gostou do que ela fez na escola e que não correto morder porque machuca as pessoas.


- Se ela estiver com vc imediatamente diga-lhe: “NÃO”, em tom calmo, mas firme e com desaprovação.


- NÃO MORDA A CRIANÇA para mostrar-lhe como se sente quando ela morde. Isso a ensinará que tenha um comportamento agressivo.

- Se a criança persistir em morder aos outros, não a leve nos braços nem brinque com ela por uns 5 minutos, após ela ter mordido. Assim a ensinará que mordendo não lhe chamará a atenção.

- Esteja mais presente na escola converse com a psicopedagoga. Demostre interesse em querer ajuda e tenho certeza que logo logo estará tudo resolvido!

O diálogo com amor é sempre a melhor maneira de se resolver tudo na vida.

Era uma vez... disse...

Beijinhos fique com Deus, espero ter ajudado e seja bem vinda ao adorável mundo das mães!

Se você gosta de ler : leia ! disse...

Olá,passei a procura de histórias envolvendo mordidas. Sou Orientadora Educacional e psicopedagoga, e orientar a professora da E.I., contar histórias com fantoches para abordar sobre mordidas.
Gostei muito das informações.
UM abraço.
Déa Marcia

Grazielle Delocco disse...

Olá! Atualmente sou Responsável pela Creche no colégio onde trabalho, e gostei muito do seu blog. Ajudou bastante as minhas pesquisas, principalmente na parte dos contos infantis.
Um grande abraço.
Beijinhos.

Prof.Maria Regina disse...

Grazielle, como fico feliz sempre que posso ajudar, essa é a nossa missão como educadora e cidadã...fique a vontade e quando puder venha fazer uma visitinha! fique na paz e muitos beijinhos cheiiiiiinhos de contos e encantos!

Postar um comentário

Ficarei muito feliz com seu comentário!
A sua opinião é de grande importância para
o aperfeiçoamento deste cantinho.
Que Deus o(a) abençoe sempre!
Com carinho,
Professora Maria Regina
Ah! Irei fazer uma visita e responder os comentários em seus blogs!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...